SIMPLES NACIONAL – NÃO COMETA ESSES ERROS!

<![CDATA[O Simples Nacional foi especialmente criado para facilitar a arrecadação de impostos de micro e pequenas empresas, em outras palavras, trata-se de um regime tributário simplificado, mas para aderir a ele, é preciso que as companhias atendam alguns requisitos.
A contabilidade Gaffa, que possui ampla experiência em contabilidade e é referência neste segmento, alerta que muitas empresas terminam por ser excluídas do Simples por conta de erros que poderiam ser facilmente evitados, por isso, é preciso ficar alerta.

Os principais erros que excluem as empresas do Simples Nacional

Para não cair em ciladas e ter sua Micro Empresa (ME) ou Empresa de Pequeno Porte (EPP) excluída do Simples Nacional, listamos alguns erros que podem e devem ser evitados:

  • Faturamento

Para se enquadrar no Simples Nacional é preciso que a Micro Empresa tenha faturamento máximo anual de 360 mil reais e a Empresa de Pequeno Porte fature no máximo 4,8 milhões.
Para tanto, a Receita Federal realiza auditorias constantes no que tange o faturamento de cada empresa brasileira e caso constate que sua empresa fature mais do que o permitido, será preciso mudar de regime de tributação;
É importante saber mais sobre o fluxo de caixa lendo esse artigo “Fluxo de caixa da empresa – evite problemas”

  • Atividades não permitidas

É possível optar pelo Simples quando a empresa desenvolve atividades autorizadas por esse regime. Assim, alguns exemplos das chamadas atividades impeditivas para o Simples Nacional são geração de energia elétrica e fabricação de armamentos, motocicletas e caminhonetas.
Dessa forma, caso sua empresa desempenhe algumas das atividades impeditivas, ela será automaticamente excluída do Simples Nacional. Porém, é preciso ter em mente que existem outros regimes de tributação, basta encontrar aquele mais adequado ao seu modelo de negócio;

  • Dívidas com o ISS ou IRPF

ISS é a sigla para Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza, um imposto previsto no artigo 156 da Constituição Brasileira e de competência dos municípios. Já o IRPF é o Imposto de Renda Pessoa Física, que deve ser declarado e pago anualmente.
Ter dívidas com o ISS e o IRPF é um fator que pode levar à exclusão da sua empresa junto ao Simples Nacional, por isso, é preciso atentar-se. Ademais, os dados cadastrais da companhia e dos portadores do CNPJ devem estar sempre atualizados e ela em dia com o INSS.
Leia, também, o artigo sobre Obrigações Acessórias.

Uma tributação simplificada

Como apontado, a criação do Simples Nacional veio para tornar a arrecadação de impostos mais fácil, por isso, ao invés de um boleto para cada imposto, os optantes pelo Simples quitam seus débitos tributários por meio da guia DAS.
Porém, caso sua empresa não se enquadre no Simples, não é preciso se preocupar, o mais indicado é contar com os profissionais da Gaffa para que seja possível fazer a transição para o regime de tributação mais adequado.
Vale lembrar que estar enquadrado no regime correto de tributação é essencial para obtenção e solicitação de crédito junto a bancos e financeiras, além de poder solicitar reembolsos e demais benefícios junto ao Governo e usufruir de programas de incentivo.
Para sanar dúvidas e organizar a contabilidade e tributação da sua empresa, o mais indicado é contar com o auxílio dos nossos profissionais, afinal, uma assessoria fiscal será capaz de indicar o melhor caminho para que a empresa não seja excluída do Simples, ou seja enquadrada no regime tributário mais conveniente.
Tem dúvidas se a sua empresa está com tudo ordem? Então, está na hora de contratar uma assessoria fiscal.  Entre em contato com nosso atendimento.]]>

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Print
Email